Mercado abrirá em 7 h 50 min
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,22
    -2,06 (-2,70%)
     
  • OURO

    1.749,40
    -4,60 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    16.186,02
    -349,65 (-2,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,51
    -3,14 (-0,82%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.222,04
    -351,54 (-2,00%)
     
  • NIKKEI

    28.147,54
    -135,49 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.687,00
    -95,75 (-0,81%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6064
    -0,0180 (-0,32%)
     

Preços sobem 4% para máxima de 5 semanas com impulso de corte de produção da Opep+

Miniatura em 3D do barril de petróleo

Por Scott DiSavino

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo saltaram cerca de 4% para uma máxima de cinco semanas nesta sexta-feira, impulsionados novamente por uma decisão da Opep+ nesta semana de fazer seu maior corte de oferta desde 2020, apesar da preocupação com uma possível recessão e aumento das taxas de juros.

O petróleo subiu pelo quinto dia consecutivo, mesmo com uma alta do dólar depois que dados mostraram que a economia dos EUA estava criando empregos em um ritmo forte e deram ao Federal Reserve um motivo para continuar com fortes aumentos nas taxas de juros.

Um dólar forte pode pressionar a demanda por petróleo, tornando o petróleo denominado em dólar mais caro para outros detentores de moeda.

Os futuros do petróleo Brent subiram 3,50 dólares, ou 3,7%, para 97,92 dólares o barril, enquanto o petróleo nos EUA (WTI) subiu 4,19 dólares, ou 4,7%, para 92,64 dólares.

Esse foi o fechamento mais alto para o Brent desde 30 de agosto e para o WTI desde 29 de agosto. O salto dos preços empurrou ambas as referências de mercado para território tecnicamente sobrecomprado pela primeira vez desde agosto para o Brent e junho para o WTI.

Ambos os contratos registraram seus segundos ganhos semanais consecutivos e seus maiores ganhos percentuais semanais desde março desta semana, com o Brent subindo cerca de 11% e o WTI 17%.

(Reportagem adicional de Mohi Narayan em Nova Délhi e Alex Lawler em Londres)