Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,42
    +0,65 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.865,20
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    29.598,56
    +388,46 (+1,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    660,20
    +4,38 (+0,67%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.484,35
    -29,09 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    20.112,10
    -357,96 (-1,75%)
     
  • NIKKEI

    26.637,90
    -110,24 (-0,41%)
     
  • NASDAQ

    11.800,75
    +29,75 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1676
    -0,0046 (-0,09%)
     

Preços recuam 2% com notícias sobre aumento da taxa do Fed

·1 min de leitura
Plataforma de petróleo na Bacia de Santos (RJ)

Por David Gaffen e Arathy Somasekhar

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo caíram cerca de 2% nesta segunda-feira, atingidos por preocupações dos investidores sobre a possibilidade de aumentos de juros mais rápidos do que o esperado pelo Federal Reserve dos EUA, que derrubou mercados de risco, como ações, enquanto o dólar se recuperava.

As ações de Wall Street caíram, após a semana passada registrar sua pior semana desde 2020, derrubando outros ativos de risco, como o petróleo.

"Tudo está sendo levado para o galpão de madeira e o galpão de madeira é um lugar bastante movimentado", disse John Kilduff, sócio da Again Capital Management.

O petróleo Brent caiu 1,62 dólar, ou 1,8%, para 86,27 dólares o barril, enquanto o petróleo dos EUA (WTI) fechou em queda de 1,83 dólar, ou 2,2%, para 83,31 dólares.

Ambos as marcas de referência subiram pela quinta semana consecutiva na semana passada, ganhando cerca de 2% para atingir seu maior patamar desde outubro de 2014.

Os preços do petróleo subiram mais de 10% neste ano devido às preocupações com o aperto da oferta e a Opep+ agora lutando para atingir um aumento de produção mensal de 400 mil barris por dia.

As tensões na Ucrânia vêm aumentando há meses depois que a Rússia reuniu tropas perto de suas fronteiras, alimentando temores de interrupção do fornecimento na Europa Oriental.

(Reportagem adicional de Bozorgmehr Sharafedin, Noah Browning e Yuka Obayashi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos