Mercado abrirá em 45 mins
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,05
    +1,28 (+1,17%)
     
  • OURO

    1.853,80
    -11,60 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    29.467,12
    +231,56 (+0,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    654,70
    -1,12 (-0,17%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.502,76
    +18,41 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    20.171,27
    +59,17 (+0,29%)
     
  • NIKKEI

    26.677,80
    -70,34 (-0,26%)
     
  • NASDAQ

    11.696,00
    -75,00 (-0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1785
    +0,0063 (+0,12%)
     

Preços do petróleo tocam US$90/barril pela primeira vez desde 2014, com tensões na Rússia

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Bomba de petróleo em Midland, no Texas, EUA.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por David Gaffen

NOVA YORK (Reuters) - O petróleo subiu nesta quarta-feira, chegando a 90 dólares o barril pela primeira vez em sete anos, apoiado em uma oferta apertada e crescentes tensões políticas entre Rússia e Ucrânia somadas a preocupações sobre mais interrupções em um mercado já apertado.

O petróleo Brent ganhou 1,76 dólar, ou 2%, para fechar em 89,96 dólares o barril, após ultrapassar 90 dólares pela primeira vez desde outubro de 2014. O petróleo dos EUA (WTI) fechou em alta de 1,75 dólar, ou 2%, para 87,35 dólares o barril.

Os preços do petróleo diminuíram seus ganhos nas negociações pós-fechamento, recuando com outros ativos de risco, como ações, depois que os investidores interpretaram os comentários do presidente do Federal Reserve dos EUA, Jerome Powell, em uma coletiva de imprensa sobre os aumentos esperados das taxas de juros como um pouco "hawkish" (inclinados à retirada de estímulos).

A Rússia acumulou milhares de soldados na fronteira da Ucrânia, alimentando temores de uma invasão. Os preços do mercado de energia subiram devido a preocupações de que o fornecimento de gás da Rússia para a Europa possa ser interrompido. A Rússia também é um dos maiores exportadores de petróleo do mundo.

O secretário de Estado dos EUA, Tony Blinken, disse que o país garantirá que o fornecimento global de energia não seja interrompido se a Rússia agir.

"Os mercados estão nervosos que a oferta física possa ser interrompida", disse Paul Sheldon, consultor-chefe geopolítico de análise da S&P Global Platts. "Provavelmente, os fluxos continuarão, mas os riscos não são desprezíveis de que algo possa afetar os equilíbrios físicos".

(Reportagem adicional de Laura Sanicola e Scott DiSavino)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos