Mercado abrirá em 2 h 9 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,07
    +0,30 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.851,00
    -4,20 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    31.603,60
    -764,69 (-2,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    637,99
    -9,34 (-1,44%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.690,29
    +51,44 (+0,77%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.438,75
    -36,75 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6920
    +0,0558 (+0,84%)
     

Preços do petróleo tocam máximas de 11 meses com cortes de produção sauditas

Laura Sanicola
·1 minuto de leitura

Por Laura Sanicola

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo atingiram máxima de 11 meses nesta quinta-feira, com o mercado mantendo o foco na inesperada promessa de cortes de bombeamento pela Arábia Saudita e nos movimentos de alta nos mercados acionários, deixando de lado as turbulências políticas nos Estados Unidos.

O petróleo Brent fechou em alta de 0,08 dólar, a 54,38 dólares por barril, após atingir a marca de 54,90 dólares, nível que não era visto desde a imposição dos primeiros lockdowns relacionados à Covid-19 no ocidente.

Já o petróleo dos EUA (WTI) avançou 0,20 dólar, para 50,83 dólares o barril, depois de tocar uma máxima de 51,28 dólares na sessão.

Na quarta-feira, apoiadores do presidente norte-americano, Donald Trump, invadiram o Capitólio do país em protesto contra a validação da derrota de Trump na eleição presidencial, para Joe Biden. Os preços do petróleo chegaram a registrar firme queda durante a agitação.

Nesta semana, porém, as cotações da commodity têm sido apoiadas por uma promessa da Arábia Saudita, maior exportadora de petróleo do mundo, de reduzir sua produção em mais 1 milhão de barris por dia (bpd) em fevereiro e março.

"Até o mês que vem, este mercado de alta pode se restabelecer em níveis mais elevados, em função principalmente do benefício do inesperado corte voluntário de produção de 1 milhão de bpd pela Arábia Saudita", disse Jim Ritterbusch, presidente da Ritterbusch and Associates em Galena, Illinois.

(Reportagem adicional de Noah Browning e Aaron Sheldrick)