Mercado fechará em 4 h 25 min
  • BOVESPA

    119.477,78
    -86,66 (-0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.796,84
    +397,04 (+0,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,08
    -0,55 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.816,30
    +32,00 (+1,79%)
     
  • BTC-USD

    57.105,21
    -121,25 (-0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.483,25
    +11,83 (+0,80%)
     
  • S&P500

    4.177,22
    +9,63 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    34.397,44
    +167,10 (+0,49%)
     
  • FTSE

    7.061,33
    +22,03 (+0,31%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.472,75
    -18,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3548
    -0,0721 (-1,12%)
     

Preços do petróleo têm máxima de 4 semanas com melhora nas perspectivas de demanda

Scott DiSavino
·1 minuto de leitura
Bombeamento de petróleo em Saint-Fiacre, França

Por Scott DiSavino

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo avançaram para novas máximas de quatro semanas nesta quinta-feira, apoiados por dados econômicos positivos nos Estados Unidos e pelo aumento nas projeções da Agência Internacional de Energia para a demanda, além do início da recuperação da pandemia de Covid-19 em países da Opep.

Após ganhos de quase 5% na quarta-feira, o petróleo Brent fechou em alta de 0,36 dólar, ou 0,5%, a 66,94 dólares por barril, enquanto o petróleo dos EUA (WTI) avançou 0,31 dólar, ou 0,5%, para 63,46 dólares o barril.

Pelo segundo dia consecutivo, as duas referências renovaram seus maiores níveis de fechamento desde 17 de março, o que coloca ambos os contratos a caminho da quarta semana seguida de ganhos --sequência que ocorreria pela primeira vez desde fevereiro.

"O petróleo está começando a se reconectar com a força das ações, assistido também pela desvalorização do dólar", disse Jim Ritterbusch, presidente da Ritterbusch and Associates em Galena, Illinois.

As vendas no varejo dos EUA tiveram uma recuperação acima do esperado em março, à medida que norte-americanos receberam pagamentos adicionais em alívio à pandemia e o programa de vacinação do país permitiu uma retomada econômica mais ampla.

Esses dados, além dos balanços positivos reportados por diversas empresas, ajudaram os índices acionários S&P 500 e Dow Jones a atingirem novas máximas recordes, impulsionados pelas expectativas de recuperação econômica.

(Reportagem adicional de Ahmad Ghaddar, em Londres, e Aaron Sheldrick, em Tóquio)