Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.341,25
    +318,30 (+0,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Preços do petróleo têm 9° dia de alta com cortes da Opep+ e otimismo sobre demanda

Alex Lawler
·1 minuto de leitura

Por Alex Lawler

LONDRES (Reuters) - Os preços do petróleo subiam pelo nono dia consecutivo nesta quarta-feira, na maior sequência positiva em dois anos, impulsionados por cortes de oferta de importantes produtores e otimismo de que a aplicação de vacinas possa levar a uma recuperação na demanda.

O petróleo Brent subia 0,4 dólar, ou 0,65%, a 61,49 dólares por barril, às 8:42 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos avançava 0,3 dólar, ou 0,51%, a 58,66 dólares por barril.

Os estoques de petróleo nos EUA recuaram em 3,5 milhões de barris, disse o Instituto Americano do Petróleo na terça-feira, contra expectativas de alta de 985 mil. A Administração de Informações de Energia (AIE) dos EUA divulga seus dados oficiais mais tarde nesta quarta-feira.

O Brent caminha para a nona sessão consecutiva de ganhos, a mais longa sequência de alta desde entre dezembro de 2019 e janeiro de 2019. Alguns analistas dizem que os preços foram longe demais e avançaram mais que os fundamentos permitiriam.

"Eu fico imaginando se o rali dessa semana tem mais espaço para ir adiante", disse Stephen Brannokc, da corretora PVM. "Mas, como as coisas estão, o petróleo ainda deve perder o brilho."

"Os atuais níveis de preços estão mais saudáveis que o mercado real, e são inteiramente dependentes dos cortes de oferta, uma vez que a demanda ainda precisa se recuperar", disse Bjornar Tonhaugen, da Rystad Energy.

Os preços do petróleo têm subido desde novembro, com governos iniciando campanhas de vacinação contra Covid-19 e aprovando amplos pacotes de estímulos para impulsionar a atividade econômica enquanto os principais produtores de petróleo do mundo limitam a produção.