Mercado abrirá em 2 h 21 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,73
    +0,46 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.869,40
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    45.314,62
    +270,42 (+0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.261,43
    +63,52 (+5,30%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.057,72
    +24,87 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.397,25
    +93,75 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4428
    +0,0329 (+0,51%)
     

Preços de petróleo sobem a US$67 com perspectivas de demanda

Alex Lawler
·1 minuto de leitura
Campo de petróleo em Basra

Por Alex Lawler

LONDRES (Reuters) - O petróleo subiu para 67 dólares por barril nesta segunda-feira, com o otimismo sobre uma forte recuperação da demanda em países como Estados Unidos e China.

Nesta segunda-feira, a Índia relatou mais de 300.000 novos casos de coronavírus por um 12º dia consecutivo. A nova onda do vírus já provocou queda nas vendas de combustíveis no terceiro maior consumidor mundial em abril.

O petróleo Brent subia 0,9 dólar, ou 1,35%, a 67,66 dólares por barril, às 11:54 (horário de Brasília).

O petróleo dos Estados Unidos avançava 0,94 dólar, ou 1,48%, a 64,52 dólares por barril.

"O nervosismo na Índia está impedindo que os preços do petróleo aumentem ainda mais", disse Louise Dickson, analista da Rystad Energy.

"Apesar da queda da demanda na Índia, é muito provável que o petróleo se recupere para 70 dólares por barril nos próximos meses, conforme o aumento da demanda global torna a escala positiva."

Espera-se que os EUA e a China, os dois maiores consumidores de petróleo do mundo, impulsionem essa recuperação da demanda.

O Brent subiu quase 30% neste ano, recuperando-se das baixas históricas do ano passado graças aos cortes recordes de oferta pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, um grupo conhecido como Opep+.

(Reportagem adicional de Florence Tan)