Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.708,94
    +1.485,07 (+2,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Preços do petróleo sobem quase 2% com possível aumento de viagens apesar da pandemia

Jessica Resnick-Ault
·1 minuto de leitura

Por Jessica Resnick-Ault

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo avançaram quase 2% nesta terça-feira, após mais Estados norte-americanos flexibilizarem lockdowns e a União Europeia buscar atrair turistas, apesar do aumento no número de casos de Covid-19 na Índia ter limitado ganhos.

Os contratos futuros ganharam força em negociações pós-fechamento, depois de o Instituto Americano de Petróleo (API, na sigla em inglês) estimar que os estoques da commodity nos EUA recuaram mais que o esperado, de acordo com operadores.

Os futuros do petróleo Brent fecharam em alta de 1,32 dólar, ou 1,95%, a 68,88 dólares o barril. A referência global continuou em alta após os dados do API serem divulgados.

Os futuros do petróleo dos EUA (WTI) avançaram 1,20 dólar, ou 1,86%, para 65,69 dólares por barril, após salto de 1,4% na segunda-feira. Em negócios pós-fechamento, o contrato atingia 66,21 dólares o barril.

"Os mercados começaram o dia otimistas, impulsionados pelo movimento de voos entre EUA e Europa", afirmou Phil Flynn, analista sênior do Price Futures Group em Chicago. A demanda por diesel, incluindo combustíveis de aviação, sofreu durante a pandemia, pesando sobre o mercado global de petróleo.

"O mercado foca no resultado de programas de vacinação bem sucedidos nos EUA e em outros países desenvolvidos, e não na devastação na Índia e no Brasil."

(Reportagem de Julia Payne em Londres, Sonali Paul em Melbourne e Roslan Khasawneh em Cingapura)