Mercado fechará em 4 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    108.831,37
    -145,34 (-0,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.931,78
    +263,14 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,79
    -1,49 (-1,95%)
     
  • OURO

    1.746,90
    -7,10 (-0,40%)
     
  • BTC-USD

    16.243,65
    -289,59 (-1,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,74
    +0,45 (+0,12%)
     
  • S&P500

    4.002,45
    -23,67 (-0,59%)
     
  • DOW JONES

    34.191,97
    -155,06 (-0,45%)
     
  • FTSE

    7.468,49
    -18,18 (-0,24%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.760,75
    -22,00 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6123
    -0,0121 (-0,22%)
     

Preços do petróleo sobem quase 2% com dólar mais fraco compensando preocupações sobre a China

Barris de petróleo em miniatura 3D

Por Stephanie Kelly

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo subiram nesta terça-feira, recuperando-se das perdas da sessão anterior, com otimismo de que a China, o segundo maior consumidor de petróleo do mundo, possa relaxar as restrições rígidas contra a Covid.

O Brent para entrega em janeiro subiu 1,84 dólar, ou 2%, para 94,65 dólares o barril. O contrato de dezembro expirou na segunda-feira a 94,83 dólar o barril, uma queda de 1%.

O petróleo dos EUA(WTI) subiu 1,84 dólar, ou 2,1%, para 88,37 dólares, depois de cair 1,6% na sessão anterior.

Uma nota não verificada nas mídias sociais e twittada pelo influente economista Hao Hon, disse que um "Comitê de Reabertura" foi formado pelo membro permanente do Politburo Wang Huning e estava revisando dados da Covid no exterior para avaliar vários cenários de reabertura, com o objetivo de relaxar as regras em março de 2023. As ações de Hong Kong e China saltaram com os rumores.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China disse mais tarde que não tinha conhecimento da situação.

Os benchmarks Brent e WTI registraram ganhos mensais em outubro, os primeiros desde maio, depois que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados, incluindo a Rússia, um grupo conhecido como Opep+, reduziram sua produção em 2 milhões de barris por dia.

(Reportagem de Stephanie Kelly em Nova York; com reportagem adicional de Rowena Edwards em Londres e Isabel Kua em Cingapura)