Mercado abrirá em 5 h 55 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,59
    +0,13 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.762,80
    -4,00 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    61.414,86
    -1.925,93 (-3,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.361,47
    -19,48 (-1,41%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    28.949,52
    +156,38 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    13.978,25
    -35,75 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7152
    -0,0059 (-0,09%)
     

Preços do petróleo sobem mais de US$3/barril após navio encalhar no Canal de Suez

Laila Kearney
·1 minuto de leitura
Imagem de satélite mostra navio encalhado na diagonal no Canal de Suez, Egito

Por Laila Kearney

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo saltaram cerca de 6% nesta quarta-feira, após um navio encalhar no Canal de Suez, em incidente que gerou preocupações quanto aos embarques da commodity, dando impulso às cotações após uma sequência de quedas ao longo da última semana.

As referências do petróleo --o WTI, negociado nos Estados Unidos, e o Brent, que possui operações em Londres-- ampliaram ganhos após dados de estoque nos EUA mostrarem um novo avanço na atividade local de refino, sugerindo que as refinarias norte-americanas estão se recuperando da tempestade de inverno que afetou o Texas em fevereiro.

O petróleo Brent fechou em alta de 3,62 dólares, ou 6%, a 64,41 dólares por barril, após ter despencado 5,9% na sessão anterior. Já o petróleo dos EUA avançou 3,42 dólares, ou 5,9%, para 61,18 dólares o barril --na véspera, o contrato cedeu 6,2%.

Os ganhos pareceram estabilizar o mercado, que vinha em queda desde o início deste mês, quando os preços atingiram os maiores níveis deste ano por expectativas de recuperação de demanda. Desde então, porém, essas esperanças foram frustradas, com países europeus voltando ao regime de lockdown para conter uma nova onda da pandemia de coronavírus.

No Canal de Suez, dez rebocadores tentavam para liberar um dos maiores navios de contêineres do mundo, que encalhou no local e bloqueia a passagem há mais de um dia, disse a empresa de serviços marítimos GAC.

"Esse é um daqueles fatores coringas que são únicos para a indústria do petróleo", disse Bob Yawger, do Mizuho. "Quando você acha que tem tudo resolvido, posso te garantir uma coisa: você não tem."

(Reportagem adicional de Alex Lawler, Yuka Obayashi e Jessica Resnick-Ault)