Mercado abrirá em 9 h 12 min
  • BOVESPA

    117.560,83
    +362,83 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,88 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,37
    -0,08 (-0,09%)
     
  • OURO

    1.718,40
    -2,40 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    20.012,98
    -354,85 (-1,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,28
    -7,84 (-1,69%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    17.804,18
    -207,97 (-1,15%)
     
  • NIKKEI

    27.149,76
    -161,54 (-0,59%)
     
  • NASDAQ

    11.524,25
    -17,50 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1020
    -0,0115 (-0,22%)
     

Preços do petróleo sobem com sinais de que a Opep pode cortar a produção

Por Stephanie Kelly

(Reuters) - Os preços do petróleo fecharam em alta nesta sexta-feira, impulsionados por sinais da Arábia Saudita de que a Opep poderia cortar a produção, mas as negociações estavam voláteis à medida que os investidores digeriam o cenário e, por fim, ignoravam os avisos do chefe do Federal Reserve dos EUA sobre as dificuldades econômicas à vista.

Os futuros de petróleo Brent subiram 1,65 dólar, fechando em 100,99 dólares o barril. Os contratos futuros de petróleo bruto WTI, dos EUA, subiram 0,54 dólar, fechando em 93,06 dólares por barril.

Na semana, o Brent ganhou 4,4%, enquanto o WTI subiu 2,5%.

Os Emirados Árabes Unidos se tornaram o último membro da Opep+ a afirmar que estão alinhados com o pensamento da Arábia Saudita sobre os mercados de petróleo, disse uma fonte com conhecimento do assunto à Reuters.

Na segunda-feira, a Arábia Saudita sinalizou a possibilidade de cortes de produção para compensar o retorno de barris iranianos aos mercados de petróleo caso Teerã conquiste um acordo nuclear com o Ocidente.

"Permanece a impressão de que a Arábia Saudita não está disposta a tolerar qualquer queda de preço abaixo de US$ 90. Os especuladores podem ver isso como um convite para apostar em novos aumentos de preços sem a necessidade de temer quedas de preços mais pronunciadas", disse o Commerzbank em nota.

(Reportagem adicional de Rowena Edwards em Londres, Sonali Paul em Melbourne e Emily Chow em Kuala Lumpur)