Mercado abrirá em 1 h 55 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,70
    +0,65 (+1,00%)
     
  • OURO

    1.700,90
    +22,90 (+1,36%)
     
  • BTC-USD

    54.172,11
    +4.248,21 (+8,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.093,92
    +69,71 (+6,81%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.747,53
    +28,40 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.556,00
    +258,75 (+2,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9925
    +0,0327 (+0,47%)
     

Preços do petróleo sobem com retorno lento da produção nos EUA após onda de frio

Noah Browning
·1 minuto de leitura
Bomba em operação em Odessa, Texas

Por Noah Browning

LONDRES (Reuters) - Os preços do petróleo subiam nesta segunda-feira, à medida que o lento retorno da produção nos Estados Unidos após impactos de uma onda de frio servia como lembrança da situação apertada da oferta em momento em que a demanda se recupera dos piores efeitos da pandemia de Covid-19.

O petróleo Brent subia 0,53 dólar, ou 0,84%, a 63,44 dólares por barril, às 9:49 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos avançava 0,62 dólar, ou 1,05%, a 59,86 dólares por barril.

Na semana passada, o Brent subiu quase 1%, enquanto o barril nos EUA (WTI) recuou 0,4%.

O pouco usual clima congelante no Texas e nas Planícies dos EUA forçou o corte de até 4 milhões de barris por dia em produção de petróleo, assim como 21 bilhões de pés cúbicos de gás natural, segundo estimativa de analistas.

Os trabalhadores dos campos de petróleo provavelmente levarão dias para descongelar válvulas, reiniciar sitemas e começar a produção de óleo e gás. Refinarias na costa do Golfo dos EUA estão avaliando os danos e podem levar três semanas para retomar a maior parte de suas operações, disseram analistas.

"Com três quartos das equipes de 'fracking' fora de campo, a probabilidade de uma retomada rápida é baixa", disse a ANZ Research em nota.