Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    18.926,38
    +31,86 (+0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Preços do petróleo sobem com paralisações no Golfo dos EUA e perspectiva fraca para demanda

Por Alex Lawler
·2 minuto de leitura

Por Alex Lawler

LONDRES (Reuters) - Os preços do petróleo avançam nesta terça-feira em meio ao fechamento de unidades de produção do combustível no Golfo do México, controlado pelos EUA, devido a um furacão, embora o aumento das infecções por coronavírus e a ampliação da oferta na Líbia limitem os ganhos.

O petróleo Brent subia de 0,10 dólar, ou 0,3%, a 40,56 dólares por barril às 09:44 (Horário de Brasília). O petróleo dos EUA (WTI) ganhava 0,22 dólar, ou 0,6%, para 38,78 dólares o barril. Ambos os contratos cederam mais de 3% na segunda-feira.

"Embora o furacão Zeta possa proporcionar um alívio aos preços nas atuais circunstâncias, será muito breve", disse Tamas Varga, da corretora de petróleo PVM. "O clima está, de fato, azedo."

O petróleo recuou devido ao aumento das infecções por coronavírus em todo o mundo e à falta de progresso no acordo de um pacote de auxílio nos EUA, em função da pandemia. Ainda assim, a presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, espera que um acordo possa ser alcançado antes da eleição de 3 de novembro.

"O número crescente de infecções, lockdowns e restrições de viagens é uma ameaça séria", disse Paola Rodriguez-Masiu, da Rystad Energy. "A situação no momento parece mais pessimista."

A produção da Líbia deve chegar a 1 milhão de barris por dia nas próximas semanas, disse a companhia nacional de petróleo do país na sexta-feira, complicando os esforços de outros membros da Opep e aliados para restringir a produção.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados, conhecida como Opep+, estão planejando aumentar a produção em 2 milhões de bpd a partir de janeiro, após cortes recordes na produção deste ano.

Mas o presidente russo, Vladimir Putin, falando na quinta-feira passada, não descartou a extensão dos cortes por mais tempo.

(Reportagem adicional de Aaron Sheldrick e Sonali Paul)