Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.416,05
    +986,41 (+2,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Preços do petróleo sobem com otimismo econômico e oferta mais apertada

Laila Kearney
·1 minuto de leitura
Ilustração de bomba de petróleo e notas de dólar

Por Laila Kearney

NOVA YORK (Reuters) - O petróleo avançou nesta quinta-feira, apoiado por fortes dados econômicos dos Estados Unidos, pela redução nos estoques da commodity no país e pela decisão da Opep+ de manter suas restrições de produção, embora a valorização do dólar tenha limitado os ganhos.

O petróleo Brent fechou em alta de 0,38 dólar, a 58,84 dólares por barril, depois de atingir o mais alto patamar desde 21 de fevereiro, a 59,04 dólares.

Já o petróleo dos EUA (WTI) avançou 0,54 dólar, para 56,23 dólares o barril. Na véspera, a referência norte-americana já havia registrado o maior nível de fechamento em um ano, a 55,69 dólares.

Dados sólidos da atividade fabril dos EUA, além da melhora nos números do desemprego no país, ajudaram a dar impulso aos preços do petróleo, disse John Kilduff, sócio da Again Capital em Nova York.

"Isso ajudou, e dada a situação mais ampla, com a Opep+, eu espero que este mercado se fortaleça ainda mais", afirmou Kilduff.

O Departamento de Comércio norte-americano informou que as encomendas à indústria aumentaram 1,1% em dezembro, após alta de 1,3% em novembro, enquanto dados do Departamento do Trabalho indicaram uma queda nos pedidos de seguro-desemprego na última semana.

(Reportagem adicional de Julia Payne e Jessica Jaganathan)