Mercado fechará em 4 h 58 min
  • BOVESPA

    120.288,07
    +990,94 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.084,89
    +581,18 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,75
    +2,57 (+4,27%)
     
  • OURO

    1.738,80
    -8,80 (-0,50%)
     
  • BTC-USD

    63.093,99
    +276,55 (+0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.352,75
    -23,03 (-1,67%)
     
  • S&P500

    4.144,42
    +2,83 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.870,37
    +193,10 (+0,57%)
     
  • FTSE

    6.936,77
    +46,28 (+0,67%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    +82,29 (+0,28%)
     
  • NASDAQ

    13.936,75
    -39,00 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7974
    -0,0338 (-0,49%)
     

Preços do petróleo sobem com navio encalhado no Canal de Suez, mas lockdowns pesam

Alex Lawler
·1 minuto de leitura

Por Alex Lawler

LONDRES, (Reuters) - Os preços do petróleo subiam nesta quarta-feira, depois que um navio encalhou no Canal de Suez, o que gerou preocupações sobre a oferta, embora temores de uma lenta recuperação na demanda devido a "lockdowns" na Europa tenham limitado os ganhos.

Oito navios rebocadores tentavam nesta quarta-feira desencalhar um longo navio de contêineres de 400 metros que bloqueava a passagem no Canal de Suez, uma das mais importantes vias marítimas do mundo.

"O suporte aos preços vem como cortesia do bloqueio ao transporte", disse Stephen Brennock, da corretora PVM. "Mesmo assim, o sentimento do mercado provavelmente ainda vai sofrer pra sair dessa sua nova tendência baixista".

O petróleo Brent subia 1,24 dólar, ou 2,04%, a 62,03 dólares por barril, às 8:14 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos avançava 1,27 dólar, ou 2,2%, a 59,03 dólares por barril.

Na terça-feira, o petróleo Brent havia desabado 5,9%, enquanto o barril nos EUA perdeu 6,2%.

"O potencial impacto sobre a oferta levantou os preços", disse Jeffrey Halley, da corretora OANDA, sobre o incidente em Suez, embora com a ressalva de que a questão parece temporária.

Por outro lado, pesavam contra os preços a renovação pela Alemanha de seu lockdown, até 18 de abril, bem como a reimposição de restrições na Itália, na França e outros países europeus.