Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.950,13
    -40,98 (-0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Preços do petróleo sobem com forte demanda aliviando temores de recessão

Miniatura de barril de petróleo em 3D

Por Laura Sanicola

(Reuters) - O barril de petróleo subiu mais de 1 dólar nesta quinta-feira, estendendo o rali do dia anterior de quase 3%, com o otimismo sobre as exportações recordes de petróleo dos EUA e sinais de que a redução dos temores de recessão estão superando a preocupação com a baixa demanda na China.

O Brent fechou em alta de 1,27 dólar, ou 1,3%, a 96,96 dólares por barril, enquanto o petróleo dos EUA (WTI) subiu 1,17 dólar, ou 1,3%, a 89,08 dólares o barril.

Os dados mostraram exportações recordes de petróleo dos EUA, um sinal esperançoso para a demanda. [EIA/] A especulação de que os bancos centrais podem estar chegando ao fim dos ciclos de alta das taxas aumentou o suporte, depois que o Banco Central Europeu aumentou as taxas em 75 pontos-base. [MKTS/GLOB]

"Os preços do petróleo estão subindo depois que a economia dos EUA se recuperou no último trimestre", disse Edward Moya, analista de mercado sênior da OANDA, referindo-se aos fortes relatórios de lucros corporativos no último trimestre, embora tenha acrescentado que os ganhos do petróleo foram limitados por uma visão de que uma desaceleração econômica permanece.

Preocupações com a demanda chinesa, no entanto, limitaram o rali. Investidores globais despejaram ativos chineses no início desta semana, com a economia do maior consumidor de energia do mundo sendo afetada por uma política de Covid zero, uma crise imobiliária e uma queda na confiança do mercado.

"As preocupações de que as políticas econômicas confusas da China possam continuar sob o crescente poder do presidente Xi Jinping pesaram no sentimento", disse Hiroyuki Kikukawa, gerente geral de pesquisa da Nissan Securities.

(Reportagem adicional de Alex Lawler em Londres e Yuka Obayashi em Tóquio)