Mercado abrirá em 2 h 36 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,14
    +0,96 (+1,60%)
     
  • OURO

    1.744,50
    -3,10 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    63.973,07
    +1.447,84 (+2,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.379,06
    +85,07 (+6,57%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.901,99
    +11,50 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.995,50
    +19,75 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8348
    +0,0036 (+0,05%)
     

Preços do petróleo sobem com expectativas de que Opep+ mantenha cortes de produção

Stephanie Kelly
·1 minuto de leitura
Ilustração mostra bomba de petróleo em frente ao logo da Opep

Por Stephanie Kelly

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo subiram quase 1% nesta segunda-feira, após a Reuters noticiar que a Rússia deve apoiar que a oferta da commodity pela Opep+, grupo de países produtores que se reúne ainda nesta semana, seja mantida estável.

Os contratos futuros vinham em queda no início da sessão, por notícias de que o navio porta-contêineres que bloqueou o tráfego no Canal de Suez por quase uma semana havia sido liberado do encalhe.

O petróleo Brent fechou em alta de 0,41 dólar, a 64,68 dólares por barril, enquanto o petróleo dos Estados Unidos (WTI) avançou 0,59 dólar, para 61,56 dólares o barril.

"O mercado está deixando para trás o Canal de Suez e passando a se concentrar na reunião da Opep+, para a qual recebemos fortes indicações de que os cortes de produção serão prorrogados", disse Phil Flynn, analista sênior do Price Futures Group em Chicago.

A Rússia apoiaria a manutenção dos atuais níveis de oferta de petróleo do grupo de países produtores Opep+ em maio, mas buscaria um aumento relativamente pequeno em sua própria produção visando atender uma maior demanda sazonal, disse à Reuters uma fonte próxima da estratégia dos russos.

Fontes já haviam afirmado à Reuters na semana passada que esperam uma decisão semelhante à do último encontro quando a Opep+ voltar a se reunir para discutir sua política de produção, no dia 1º de abril.

(Reportagem adicional de Bozorgmehr Sharafedin, em Londres, e Aaron Sheldrick, em Tóquio)