Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.442,90
    -166,82 (-0,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Preços do petróleo sobem cerca de 1% com dados de inflação nos EUA e otimismo com demanda

Por Laila Kearney

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo subiram cerca de 1 dólar o barril nesta quinta-feira, apoiados por números que mostram que os preços ao consumidor dos EUA caíram inesperadamente em dezembro e pelo otimismo sobre as perspectivas de demanda da China.

O índice de preços ao consumidor dos EUA caiu 0,1%, sugerindo que a inflação está agora em uma tendência de queda sustentada. A principal importadora de petróleo, a China, está reabrindo sua economia após o fim das restrições rígidas contra Covid-19, aumentando as expectativas de maior demanda por petróleo.

O petróleo Brent fechou a 84,03 dólares o barril, subindo 1,36 dólar, ou 1,7%. O petróleo nos EUA fechou a 78,39 dólares o barril, ganhando 0,98 dólar, ou 1,3%.

Também impulsionando o petróleo, a moeda norte-americana caiu para uma mínima de quase nove meses em relação ao euro, depois que os dados da inflação aumentaram as expectativas de que o Federal Reserve será menos agressivo daqui para frente com aumentos de juros.

Na quarta-feira, os dois índices de referência do petróleo subiram 3%, na esperança de que as perspectivas econômicas globais não sejam tão sombrias quanto muitos temiam.

(Reportagem adicional de Alex Lawler, Laura Sanicola e Emily Chow)