Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.816,90
    -18,90 (-1,03%)
     
  • BTC-USD

    41.515,24
    +362,16 (+0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Preços do petróleo fecham o dia muito voláteis após desacordo da OPEP+

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Campo de petróleo e gás de Zubair, na província iraquiana de Al-Basra, em 2018

Os preços do petróleo caíram nesta terça-feira (6), depois de terem alcançado novos recordes no começo do dia na Europa, o que pode ser interpretado como uma demonstração do nervosismo reinante no mercado por causa do desacordo entre os membros da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e seus aliados.

O barril de WTI para entrega em agosto, referência nos Estados Unidos, superou os 76,90 dólares pouco antes das 05h00 (horário de Brasília), pela primeira vez desde novembro de 2014 e alcançou 76,98 dólares. Às 11h45, perdia 1,32% em relação a segunda-feira, a 74,17 dólares.

"A falta de acordo sobre os aumentos de produção em agosto e para além deixa o mercado ainda mais deficitário do que antes", disse Neil Wilson no Markets.com.

O acordo OPEP+ (OPEP e sócios) anulou a reunião desta segunda-feira, sem fornecer uma data para novo encontro - com o pano de fundo do desacordo dos Emirados sobre o restante dos países -, comunicou o secretário-geral do cartel, Mohamed Barkindo.

Abu Dhabi pede que seu volume de produção de referência, estagnado assim como o restante em outubro de 2018, reflita melhor sua capacidade de produção, com 600.000 barris diários a mais.

O encontro foi cancelado pelas desavenças observadas na reunião de sexta-feira entre a OPEP e seus dez aliados, e não pelos clássicos desencontros entre Riade e Moscou.

- Incerteza = volatilidade -

Há uma proposta sobre a mesa: aumentar a produção de petróleo em 400.000 barris diários a cada mês, entre agosto e dezembro, ou seja, um total de dois milhões de barris diários no mercado até o final do ano.

Com essa proposta, pretendem atender a crescente demanda pela recuperação econômica mundial e o período de férias nos Estados Unidos.

Ainda não houve convergência, porém, entre os Emirados Árabes Unidos e o restante da aliança sobre uma questão técnica: seu volume de produção de referência.

Diante disso, os analistas vislumbram vários cenários possíveis. Um deles é que não haja acordo e, portanto, não se aumente a produção. Isso dispararia os preços de petróleo. Outra possibilidade é que o grupo se dissolva, e os países disputem entre si as participações no mercado, mediante a redução de preços.

A divergência atrapalhou a primeira rodada de reuniões do cartel na quinta-feira e, de novo, na sexta, entre os membros do grupo. Nele, em geral, as disputas costumam ser sobre os preços de seus pesos pesados: Rússia e Arábia Saudita.

A OPEP+ também enfrenta uma situação complexa, com uma recuperação real da demanda, mas que ainda é frágil, assim como o provável retorno, no médio prazo, das exportações iranianas e dos preços elevados. Este último poderá provocar o descontentamento de grandes importadores, como a Índia.

bp/anb/mas/rsr/mar/aa/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos