Mercado abrirá em 4 h 35 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,09
    +0,91 (+1,51%)
     
  • OURO

    1.746,90
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    64.667,47
    +3.738,07 (+6,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.396,91
    +102,92 (+7,95%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.901,24
    +10,75 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    +82,29 (+0,28%)
     
  • NASDAQ

    13.984,75
    +9,00 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8422
    +0,0110 (+0,16%)
     

Preços do petróleo sobem 2%, mas fecham semana no vermelho por temores de demanda

Jessica Resnick-Ault
·1 minuto de leitura

Por Jessica Resnick-Ault

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo avançaram 2% na volátil sessão desta sexta-feira, recuperando algum terreno após a forte liquidação da véspera, quando as cotações foram pressionadas por um aumento no número de casos de coronavírus na Europa --que, por sua vez, deu lugar a novos bloqueios, diminuindo as expectativas de uma recuperação iminente na demanda por combustíveis.

Os contratos futuros do petróleo Brent fecharam em alta de 1,25 dólar, ou 2%, a 64,53 dólares por barril, enquanto o petróleo dos Estados Unidos (WTI) avançou 1,42 dólar, ou 2,37%, para 61,41 dólares o barril.

Ambos os contratos haviam registrado queda de quase 7% na quinta-feira, à medida que várias economias de grande porte da Europa voltaram a impor quarentenas, enquanto os programas de vacinação foram retardados por problemas de distribuição e preocupações com possíveis efeitos colaterais.

Embora Alemanha, França e outros países tenham anunciado que retomarão as vacinações depois de agências reguladoras declararem que o imunizante da AstraZeneca é seguro, a suspensão do programa torna mais difícil superar a resistência à vacina em alguns setores da população.

"Com a liquidação, surgirão algumas coisas que poderiam ter freado a alta... A Opep vai estar mais preocupada com a Covid, o que aumenta a probabilidade de que volte a estender seus cortes de produção, e a forte queda no preço do petróleo poderia reduzir o incentivo aos produtores de 'shale' dos EUA", disse Phil Flynn, analista sênior do Price Futures Group em Chicago.

(Reportagem adicional de Shu Zhang, em Cingapura, e Aaron Sheldrick, em Tóquio)