Mercado fechará em 2 h 46 min
  • BOVESPA

    128.233,86
    -1.031,10 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.124,82
    -190,87 (-0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,28
    -0,38 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.777,90
    -5,00 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    32.228,60
    +2,95 (+0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    767,03
    -27,29 (-3,44%)
     
  • S&P500

    4.240,58
    +15,79 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    33.899,18
    +22,21 (+0,07%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.218,50
    +88,50 (+0,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9646
    -0,0107 (-0,18%)
     

Preços do petróleo sobem 1% com expectativa de recuperação econômica

·1 minuto de leitura
Extração de petróleo no condado de Dewitt, Texas (EUA)

Por Devika Krishna Kumar

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo avançaram mais de 1% nesta segunda-feira, apoiados por reaberturas de economias na Europa e por um aumento de demanda nos Estados Unidos, recuperando perdas após terem operado em baixa no início da sessão devido ao crescente número de casos de coronavírus na Ásia e a dados manufatureiros abaixo do esperado na China.

O petróleo Brent fechou em alta de 0,75 dólar, ou 1,1%, a 69,46 dólares por barril, enquanto o petróleo dos EUA (WTI) avançou 0,90 dólar, ou 1,4%, para 66,27 dólares o barril.

A economia do Reino Unido foi reaberta, dando a 65 milhões de pessoas uma parcela de liberdade após um lockdown de quatro meses em função da pandemia de Covid-19.

Com a aceleração dos índices de vacinação, França e Espanha relaxaram medidas restritivas ligadas ao coronavírus, enquanto Portugal e Holanda flexibilizaram restrições a viagens.

A promessa de crescimento econômico tem dado suporte aos preços do petróleo nas últimas semanas, embora o ritmo da inflação tenha mantido muitos investidores preocupados com a possibilidade de aumentos nas taxas de juros, o que poderia afetar os gastos dos consumidores.

"As notícias não são todas negativas no front da demanda, já que os EUA viram as viagens aéreas registrarem um salto no domingo, a 1,8 milhão de pessoas, o maior total desde março de 2020", disse Edward Moya, analista sênior de mercado da OANDA.

(Reportagem adicional de Bozorgmehr Sharafedin, em Londres, e Yuka Obayashi, em Tóquio)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos