Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.150,44
    +925,93 (+1,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Preços do petróleo saltam quase 4% com retomada lenta de produção no Texas

Laila Kearney
·1 minuto de leitura
Bombeamento de petróleo na região de Odessa, Texas (EUA)

Por Laila Kearney

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo avançaram quase 4% nesta segunda-feira, impulsionados pelas expectativas de uma retomada lenta na produção da commodity nos Estados Unidos, depois de o frio excessivo afetar o bombeamento no Texas na semana passada.

Os produtores norte-americanos interromperam algo em torno de 2 milhões a 4 milhões de barris por dia em produção de petróleo devido ao frio no Texas e em outros Estados produtores. Além disso, as condições excepcionalmente frias podem ter danificado instalações, o que poderia manter o bombeamento paralisado por mais tempo do que o esperado.

O petróleo Brent fechou em alta de 2,33 dólares, ou 3,7%, a 65,24 dólares por barril, enquanto o petróleo dos EUA (WTI) saltou 2,25 dólares, ou 3,8%, para 61,49 dólares o barril.

O contrato para entrega em março da referência norte-americana expira nesta segunda-feira. Mais negociado, o contrato abril apurou alta de 2,44 dólares, ou 4,1%, para 61,70 dólares/barril.

Os produtores de "shale" (petróleo não convencional) na região podem levar pelo menos duas semanas para retomar totalmente o bombeamento normal, com o processo de avaliação de danos e as interrupções da energia elétrica atrasando a recuperação.

"A perda significativa na produção tanto de petróleo quanto de gasolina sugere mais movimentos de alta e a probabilidade de novas máximas dentro do intervalo de uma semana", disse Jim Ritterbusch, da consultoria Ritterbusch and Associates.

Ele alertou, porém, que com a capacidade limitada de refino, o preço pode ser pressionado caso as refinarias demorem semanas para retornar ao normal.

(Reportagem adicional de Noah Browning e Aaron Sheldrick, em Londres, e Jessica Resnick-Ault, em Nova York)