Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,01
    +2,52 (+3,17%)
     
  • OURO

    1.672,20
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    18.982,35
    -327,49 (-1,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.012,75
    -22,75 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    -0,0039 (-0,07%)
     

Preços do petróleo recuam quase US$ 6 por temores com demanda e exportações do Iraque

Por Arathy Somasekhar

HOUSTON (Reuters) - Os preços do petróleo caíram quase 6 dólares por barril nesta terça-feira, o declínio mais acentuado em cerca de um mês, devido a temores de que a demanda por combustível possa diminuir à medida que os bancos centrais globais aumentam juros para combater a inflação crescente.

Além disso, a agitação no cenário não prejudicou as exportações de petróleo do Iraque.

Os futuros de petróleo Brent para outubro caíram 5,78 dólares, ou 5,5%, a 99,31 dólares por barril, depois de atingirem a mínima da sessão em 97,55 dólares por barril.

O vencimento outubro expira nesta quarta-feira e o contrato mais ativo, de novembro, fechou em 97,84 dólares, queda de 4,9%.

O petróleo bruto WTI, dos EUA, caiu 5 dólares, ou 5,5%, para 91,64 dólares.

A inflação está perto do território de dois dígitos em muitas das maiores economias do mundo. Isso poderia levar os bancos centrais a recorrer a aumentos mais agressivos nas taxas de juros, o que tende a desacelerar o crescimento econômico e a demanda por combustíveis.

O Banco Central Europeu deve incluir um aumento da taxa de juros de 75 pontos-base entre suas opções para a reunião de setembro, dada a inflação excepcionalmente alta, disse uma autoridade da Estônia Madis Muller nesta terça-feira.

(Reportagem de Arathy Somasekhar em Houston e Rowena Edwards em Londres; com reportagem adicional de Muyu Xu em Cingapura)