Mercado fechará em 6 h 52 min
  • BOVESPA

    110.580,79
    0,00 (0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,12
    +1,35 (+1,23%)
     
  • OURO

    1.850,90
    -14,50 (-0,78%)
     
  • BTC-USD

    29.565,24
    +333,84 (+1,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    657,64
    +1,81 (+0,28%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.515,03
    +30,68 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    20.171,27
    +59,17 (+0,29%)
     
  • NIKKEI

    26.677,80
    -70,34 (-0,26%)
     
  • NASDAQ

    11.716,25
    -54,75 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0194 (-0,38%)
     

Preços do petróleo recuam de máxima de 7 anos com tensões na Rússia

·2 min de leitura
Bombeamento de petróleo no condado de Loving, Texas (EUA)

Por Stephanie Kelly

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo caíram nesta quinta-feira depois que o Brent atingiu uma máxima de sete anos acima de 90 dólares o barril, com o mercado equilibrando as preocupações sobre a oferta mundial apertada com as expectativas de que o Federal Reserve dos Estados Unidos apertará a política monetária em breve.

Referência global, o Brent caiu 0,62 dólar, fechando em 89,34 dólares o barril, enquanto o petróleo dos EUA fechou com recuo de 0,74 dólar, a 86,61 dólares o barril, em uma sessão volátil com ambos os contratos transitando entre o território positivo e negativo.

Os preços subiram na quarta-feira, com o Brent avançando acima de 90 dólares o barril pela primeira vez em sete anos em meio a tensões entre a Rússia e o Ocidente. As ameaças aos Emirados Árabes Unidos do movimento Houthi do Iêmen aumentaram o nervosismo no mercado de petróleo.

A Rússia, o segundo maior produtor de petróleo do mundo, e o Ocidente estão em desacordo sobre a Ucrânia, alimentando temores de que o fornecimento de energia para a Europa possa ser interrompido, embora as preocupações estejam focadas no fornecimento de gás e não no petróleo.

"O mercado está muito errático nas manchetes sobre a situação Rússia-Ucrânia", disse Phil Flynn, analista sênior do Price Futures Group. "Há incerteza sobre o que vai acontecer."

O mercado começa a voltar a atenção para a reunião do dia 2 de fevereiro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados liderados pela Rússia, grupo conhecido como Opep+.

A Opep+ deve manter o aumento planejado em sua meta de produção de petróleo para março, disseram diversas fontes do grupo à Reuters.

(Reportagem adicional de Ahmad Ghaddar e Noah Browning em Londres e Emily Chow em Pequim)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos