Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    35.151,21
    -3.165,04 (-8,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Preços do petróleo recuam com preocupações de demanda e aumento da produção na Líbia

·1 min de leitura
Tanque para armazenamento de petróleo em Mentone, Texas (EUA)

Por Jessica Resnick-Ault

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo caíram nesta segunda-feira, com os receios relacionados à demanda, alimentados pelo rápido aumento global das infecções pela variante Ômicron do coronavírus, superando as preocupações com a redução da oferta de petróleo do Cazaquistão.

O petróleo Brent caiu 0,88 dólar, ou 1,1%, fechando a 80,87 dólares o barril. O petróleo dos EUA (WTI) recuou 0,67 dólar, ou 0,9%, a 78,23 dólares.

No início das negociações, ambos os contratos subiram cerca de 0,50 dólar.

"Os preços do petróleo estão acompanhando a queda do mercado de ações devido aos temores da Ômicron", disse Phil Flynn, analista sênior da Price Futures em Chicago. O mercado também recuou dos ganhos do início da sessão com a Líbia afirmando que a produção estava aumentando.

As preocupações com a variante Ômicron do coronavírus se espalharam pelo mercado de petróleo, empurrando os preços para baixo. Na semana passada, os preços da commodity subiram 5% depois que protestos no Cazaquistão interromperam as linhas de trem e atingiram a produção no campo petrolífero de Tengiz, enquanto a manutenção de oleodutos na Líbia reduziu a produção para 729 mil barris por dia (bpd) de uma máxima de 1,3 milhão de bpd no ano passado.

Na semana passada, o petróleo encontrou apoio da crescente demanda global e adições de oferta abaixo do esperado por parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados, incluindo a Rússia, um grupo conhecido coletivamente como Opep+.

(Reportagem de Noah Browning em Londres; reportagem adicional de Florence Tan e Naveen Thukral)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos