Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.177,19
    -2.985,73 (-5,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Preços do petróleo recuam com dados de produção dos EUA intensificando receios de demanda

·1 min de leitura
Bomba de petróleo na bacia de Permian, Texas

Por Jessica Resnick-Ault

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo recuaram depois de atingir as máximas em vários anos nesta segunda-feira, com negociações sem direção comum devido à queda da produção manufatureira dos Estados Unidos em setembro, moderando o entusiasmo inicial sobre demanda.

A produção nas fábricas dos EUA caiu em sete meses em setembro. A escassez global de semicondutores afetou a produção de veículos motorizados, mais uma evidência de que as restrições de oferta estavam prejudicando o crescimento econômico.

"O mercado de petróleo começou com muita exuberância, mas dados fracos sobre a produção industrial dos EUA fizeram com que as pessoas perdessem a confiança na demanda, e a China divulgou dados que intensificaram essas preocupações", disse Phil Flynn, analista sênior do Price Futures Group em Nova York .

Os contratos futuros do petróleo Brent fecharam em queda 0,53 dólar ou 0,6% em 84,33 dólares o barril, após atingir 86,04 dólares, a máxima desde outubro de 2018.

O petróleo dos EUA (WTI) fechou em alta de 0,16 dólar, ou 0,19%, em 82,44 dólares o barril, após tocar 83,87 dólares, a máxima desde outubro de 2014.

Ambos os contratos subiram pelo menos 3% na semana passada.

Os dados industriais mais fracos foram agravados pelo aumento das expectativas de produção nesta segunda-feira, pesando ainda mais sobre o sentimento do mercado.

(Reportagem de Jessica Resnick-Ault e Noah Browning; reportagem adicional de Jessica Jaganathan)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos