Mercado abrirá em 3 h 2 min
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,06
    -0,89 (-1,20%)
     
  • OURO

    1.811,10
    -6,10 (-0,34%)
     
  • BTC-USD

    39.620,79
    -2.277,08 (-5,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    968,13
    +18,23 (+1,92%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.107,58
    +75,28 (+1,07%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.042,00
    +86,25 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1550
    -0,0330 (-0,53%)
     

Preços de petróleo recuam 2% com receios de excesso de oferta após Opep chegar a acordo

·1 minuto de leitura

Por Jessica Resnick-Ault

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo recuaram mais de 2% nesta quarta-feira, após os maiores produtores de petróleo do mundo chegarem a um acordo sobre oferta e também após informações dos Estados Unidos mostrarem que a demanda recuou um pouco na última semana.

Os preços do petróleo avançaram a máximas não vistas em quase três anos, porém o mercado tem estado agitado recentemente devido às preocupações com uma aceleração no fornecimento.

O petróleo Brent fechou em queda de 1,73 dólar o barril, ou 2,26%, em 74,76 dólares o barril. Já o petróleo dos EUA (WTI) recuou 2,12 dólares, ou 2,82%, em 73,13 dólares o barril.

O prêmio do petróleo Brent em relação aos futuros do WTI aumentou ainda mais desde 6 de julho, de acordo com dados da Refinitiv Eikon. A marca de referência dos EUA recuou mais bruscamente devido à preocupações com demanda.

O petróleo inicialmente recuou após reportagem da Reuters informando que a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos atingiram um acordo que deve desbloquear os negócios da Opep+ para impulsionar ofertas de petróleo mundial, com o mundo se recuperando da pandemia do coronavírus.

As marcas de referência recuaram mais após informações do governo dos EUA mostrar que a demanda implícita de gasolina caiu consideravelmente na semana passada. Enquanto a Administração de Informação de Energia afirmou que os estoques de petróleo recuaram mais que o esperado, na oitava redução consecutiva. O recuo foi ofuscado pela queda na demanda por gasolina. [EIA/S]

"A redução significativa na demanda por gasolina e diesel pressionou os preços, embora os estoques de petróleo continuem diminuindo", afirmou Andrew Lipow, presidente da Lipow Oil Associates em Houston.

(Reportagem Adicional de Ron Bousso e Aaron Sheldrick)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos