Mercado fechado

Preços do petróleo recuam 1% por pressão de coronavírus sobre demanda

Por Laila Kearney
.

Por Laila Kearney

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo caíram cerca de 1% nesta terça-feira, à medida que temores de que a demanda por energia possa ser afetada no longo prazo pelo surto de coronavírus na China ofuscaram expectativas de mais cortes de produção pela Opep e aliados.

O petróleo Brent fechou em queda de 0,49 dólar, ou 0,9%, a 53,96 dólares por barril, enquanto o petróleo dos Estados Unidos recuou 0,50 dólar, ou 1%, para 49,61 dólares o barril. Ambos os valores de referência operam no menor nível desde janeiro de 2019.

"Acho que o temor de destruição da demanda continua a ter controle total sobre o mercado", disse Gene McGillian, vice-presidente de Pesquisa de Mercado da Tradition Energy.

O petróleo recuou com força ao longo das últimas duas semanas, diante de preocupações quanto ao impacto econômico global do coronavírus, que até esta terça-feira já matou 427 e infectou 20.438 pessoas na China, além de ter sido detectado em cerca de duas dúzias de outros países.

No início do dia, as cotações chegaram a subir, apoiadas por expectativas de novos cortes de produção pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados, que formam grupo conhecido como Opep+.

O grupo, porém, pode enfrentar dificuldades para colocar em prática novos cortes tão pouco tempo após acertar o atual pacto de restrição de oferta, além de haver incertezas sobre quanto tempo a crise causada pelo vírus pode durar.

(Reportagem adicional de Noah Browning e Seng Li Peng)