Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.592,11
    +3.121,82 (+6,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Preços do petróleo mantêm rali por redução na produção do Texas

Bozorgmehr Sharafedin
·1 minuto de leitura
Operações de extração de petróleo na Bacia de Permian, no Texas, EUA

Por Bozorgmehr Sharafedin

LONDRES (Reuters) - Os preços do petróleo seguiam em alta nesta quarta-feira, apoiados por uma importante redução na produção no sul dos Estados Unidos nesta semana, causada por uma tempestade de neve no Texas.

O petróleo Brent subia 0,66 dólar, ou 1,04%, a 64,01 dólares por barril, às 7:47 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos avançava 0,49 dólar, ou 0,82%, a 60,54 dólares por barril.

"O WTI bateu cartão nos 60 dólares por barril nesta semana, juntando-se a seu colega, o Brent, acima dessa linha psicológica pela primeira vez desde janeiro de 2020. Nesse ponto dos preços, qualquer produção de petróleo é lucrativa", disse Stephen Brennock, da corretora PVM.

O petróleo tem sido sustentado nas últimas semanas por cortes de produção da Opep+ e esperanças de recuperação da demanda devido às vacinas contra a Covid-19. Mas o clima severo no Texas, maior Estado produtor dos EUA, impulsionou as cotações nos últimos dias.

As temperaturas congelantes nos EUA devem interromper a produção por dias, se não por semanas, disseram especialistas do setor, congelando poços e fechando refinarias.

Analistas do ANZ e do Citigroup estimaram que ao menos 2 milhões de barris por dia (bpd) em produção de petróleo "shale" nos EUA podem ter sido impactados. O Citi estimou uma perda de produção cumulativa de 16 milhões de barris até o início de março.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7519)) REUTERS LC