Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,65
    -0,99 (-1,63%)
     
  • OURO

    1.710,70
    -12,30 (-0,71%)
     
  • BTC-USD

    49.366,45
    +3.168,53 (+6,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    989,57
    +61,33 (+6,61%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.588,53
    +105,10 (+1,62%)
     
  • HANG SENG

    29.571,65
    +119,08 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    29.623,18
    -40,32 (-0,14%)
     
  • NASDAQ

    13.288,50
    +8,75 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7888
    -0,0068 (-0,10%)
     

Preços do petróleo fecham sem direção comum apesar de queda em estoques dos EUA

Laila Kearney
·1 minuto de leitura

Por Laila Kearney

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo fecharam esta quarta-feira praticamente estáveis, apesar de uma grande redução nos estoques da commodity nos Estados Unidos, à medida que preocupações relacionadas à pandemia de coronavírus afetam o interesse por compras.

Os estoques norte-americanos de petróleo recuaram em quase 10 milhões de barris na semana passada, atingindo os menores níveis desde março, o que surpreendeu o mercado, que esperava um modesto aumento nas reservas.

"O mercado foi guiado por uma queda significativa (nos estoques), conforme a indústria de refino segue transformando o excedente de petróleo em produtos refinados", disse Andrew Lipow, presidente da Lipow Oil Associates em Houston.

Os contratos futuros do petróleo dos EUA (WTI) fecharam em alta de 0,24 dólar, a 52,85 dólares por barril, enquanto os futuros do petróleo Brent recuaram 0,10 dólar, a 55,81 dólares o barril.

A crescente contagem de casos de coronavírus no mundo, que superou a marca de 100 milhões diante de disparadas nas infecções na Europa e nas Américas, enquanto a Ásia luta para conter novos surtos, pressionou as cotações.

"As preocupações com a demanda vão continuar conosco por algum tempo", disse Eugen Weinberg, do Commerzbank.

(Reportagem adicional de Alex Lawler em Londres, Roslan Khasawneh em Cingapura, Sonali Paul em Melbourne e Scott DiSavino em Nova York)