Mercado fechará em 1 h 14 min
  • BOVESPA

    113.296,93
    +1.023,92 (+0,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.462,22
    -59,21 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,76
    +0,86 (+1,10%)
     
  • OURO

    1.945,80
    +6,60 (+0,34%)
     
  • BTC-USD

    23.170,15
    -13,58 (-0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,07
    +7,27 (+1,40%)
     
  • S&P500

    4.050,91
    +33,14 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    33.893,67
    +176,58 (+0,52%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.077,75
    +109,75 (+0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5271
    -0,0199 (-0,36%)
     

Preços do petróleo fecham mistos após máxima de 7 semanas com boas perspectivas para China

Por Stephanie Kelly

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo fecharam mistos nesta segunda-feira, recuando após tocarem máxima de sete semanas com otimismo sobre uma possível recuperação na demanda da China, maior importador de petróleo, à medida que a economia se recupera de bloqueios devido à pandemia.

O petróleo Brent fechou em alta de 0,56 dólar, a 88,19 dólares o barril. A máxima da sessão foi de 89,09 dólares o barril, a maior patamar desde 1º de dezembro. O petróleo nos EUA (WTI) fechou em queda de 0,02 dólar a 81,62 dólares o barril, abaixo da máxima da sessão de 82,64 dólares o barril, o pico desde 5 de dezembro.

Os preços recuaram no final da sessão, com os investidores realizando lucros, disse Phil Flynn, analista do Price Futures Group.

Ainda assim, o mercado quer preservar as posições compradas caso o crescimento chinês seja retomado, disse Sukrit Vijayakar, diretor da consultoria de energia Trifecta, com sede em Mumbai.

Os dados mostram uma recuperação sólida nas viagens na China depois que as restrições de Covid-19 foram atenuadas, disseram analistas de commodities da ANZ em nota, apontando que o congestionamento do tráfego rodoviário nas 15 principais cidades do país até agora este mês aumentou 22% em relação ao ano anterior.

(Por Stephanie Kelly em Nova York; reportagem adicional de Ron Bousso em Londres, Mohi Narayan em Nova Délhi e Sonali Paul em Melbourne)