Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,47 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,20 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,52
    -0,19 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.783,10
    -22,40 (-1,24%)
     
  • BTC-USD

    18.088,17
    +320,11 (+1,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -37,24 (-10,05%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,87 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,28 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,41 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.273,25
    +121,00 (+1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3924
    +0,0525 (+0,83%)
     

Preços do petróleo fecham mês em alta após corte recorde na produção dos EUA em maio

Por Jessica Resnick-Ault
·1 minuto de leitura

Por Jessica Resnick-Ault

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo avançaram nesta sexta-feira e terminaram o mês com ganhos, beneficiando-se de notícias que apontaram que cortes de produção nos Estados Unidos em maio foram os maiores já registrados.

O petróleo Brent fechou em alta de 0,37 dólar, ou 0,9%, a 43,31 dólares por barril.

Já o petróleo dos EUA (WTI) avançou 0,35 dólar, ou 0,9%, para 40,27 dólares o barril, depois de recuar 3,3% na sessão anterior.

O Brent registrou o quarto mês consecutivo com ganhos, enquanto o WTI teve o terceiro mês de altas, com ambos os valores de referência afastando-se das mínimas registradas em abril, quando grande parte do mundo vivia em "lockdown" devido à pandemia de coronavírus.

A produção de petróleo dos EUA despencou em maio, com um corte recorde de 2 milhões de barris por dia (bpd), para 10 milhões de bpd, disse a Administração de Informação sobre Energia (AIE) em relatório mensal divulgado nesta sexta-feira.

"Depois de um dia ruim para as grandes petroleiras, com balanços terríveis, começamos a ver os impactos em termos de barris (produzidos)", disse Phil Flynn, analista do Price Futures Group em Chicago.

"Isso sugere que veremos um mercado mais apertado no futuro e, se a economia se recuperar, teremos problemas para atender à demanda", acrescentou.

(Reportagem adicional de Aaron Sheldrick e Ron Bousso)