Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,21
    -0,09 (-0,12%)
     
  • OURO

    1.748,50
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    44.742,98
    +1.558,03 (+3,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.121,40
    +12,48 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    30.192,50
    +553,10 (+1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.322,50
    +19,00 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2280
    +0,0030 (+0,05%)
     

Preços de petróleo fecham inalterados após tempestade poupar infraestrutura

·2 minuto de leitura

Por Laura Sanicola

(Reuters) - Os preços do petróleo fecharam praticamente inalterados nesta terça-feira, com a tempestade tropical Nicholas trazendo forte chuva e cortes de energia no Texas, mas causando menos danos para a infraestrutura de energia dos Estados Unidos do que o furacão Ida causou no início deste mês.

O petróleo Brent fechou em alta de 0,9 dólar, para 73,60 dólares o barril após atingir a máxima da sessão em 74,28 dólares. O petróleo dos EUA (WTI) fechou em alta de 0,1 dólar, em 70,46 dólares, após tocar a máxima de 71,22 dólares.

Mais de 39% da produção de petróleo e gás natural do Golfo do México dos EUA permaneceu suspensa nesta terça-feira, disse o órgão regulador de Segurança e Fiscalização Ambiental (BSEE, na sigla em inglês). A tempestade Nicholas atingiu o continente no Texas na segunda-feira e deve chegar à Louisiana na quarta-feira, trazendo mais enchentes e chuvas fortes para as instalações de petróleo do Golfo.

"A situação do Golfo não está se resolvendo rapidamente", disse John Kilduff, sócio da Again Capital LLC em Nova York.

A Royal Dutch Shell encerrou a produção em uma plataforma de petróleo no mar devido a fortes ventos. O tráfego de navios em alguns centros de energia foi interrompido diante das difíceis condições climáticas.

"Haverá problemas de importação e exportação porque Houston está em uma zona de semi-inundação", disse Bob Yawger, diretor de futuros de energia da Mizuho.

A Nicholas é a segunda grande tempestade a ameaçar a região do Golfo dos EUA nas últimas semanas, trazendo fortes chuvas para o Extremo Sul e causando cortes de energia. Ainda assim, a maioria das refinarias de Texas estava operando normalmente e companhias de energia no Estado restauraram a energia para os clientes que sofreram interrupções.

(Reportagem adicional de Ahmad Ghaddar em Londres, Yuka Obayashi em Tóquio)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos