Mercado abrirá em 1 h 12 min
  • BOVESPA

    108.013,47
    +1.345,81 (+1,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.823,23
    -408,97 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,57
    -0,39 (-0,45%)
     
  • OURO

    1.838,30
    -4,90 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    42.082,70
    +658,49 (+1,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    999,50
    +4,75 (+0,48%)
     
  • S&P500

    4.532,76
    -44,35 (-0,97%)
     
  • DOW JONES

    35.028,65
    -339,82 (-0,96%)
     
  • FTSE

    7.580,32
    -9,34 (-0,12%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.130,75
    +97,25 (+0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2107
    +0,0433 (+0,70%)
     

Preços do petróleo fecham em alta, mas mercado segue cauteloso com efeitos da Ômicron

·1 min de leitura

Por Laura Sanicola

(Reuters) - Os preços do petróleo fecharam em alta de mais de 3% nesta terça-feira, recuperando-se com o apetite pelo risco renovado no dia seguinte a uma queda acentuada, mas os investidores permaneceram cautelosos enquanto a variante do coronavírus Ômicron limita planos de viagens de férias, diminuindo a demanda de combustível na perspectiva de curto prazo.

"Este é um mercado pragmático que quer ser altista, mas sabe que recuperação de alívio, como o desta manhã, não vai durar", disse Tamas Varga, analista de petróleo da corretora de Londres PVM Oil Associates.

"A vantagem deve ser limitada e mais restrições serão recebidas com a renovação das vendas", acrescentou.

O petróleo Brent fechou em alta de 2,46 dólares, ou 3,4%, a 73,98 dólares o barril. O petróleo dos EUA (WTI) subiu 2,51 dólares, ou 3,7%, para 71,12 dólares o barril.

Os países da Europa estavam considerando novas restrições, à medida que a rápida variante Ômicron varria o mundo dias antes do Natal, causando caos nos planos de viagem e enervando os mercados financeiros.

Em relação à oferta, o acordo da Opep+ com os cortes na produção de petróleo subiu para 117% em novembro, ante 116% de um mês antes, disseram duas fontes do grupo à Reuters, indicando que os níveis de produção permanecem bem abaixo das metas acordadas.

(Reportagem adicional de Bozorgmehr Sharafedin em Londres; Jessica Jaganathan em Cingapura)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos