Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +0,38 (+0,45%)
     
  • OURO

    1.783,00
    -1,90 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    65.990,51
    +1.857,81 (+2,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.538,50
    +57,70 (+3,90%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.353,00
    -24,50 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5196
    0,0000 (0,00%)
     

Preços do petróleo estabilizam após sinais de que China está pronta a comprar mais

·1 minuto de leitura
Extração de petróleo em Nefteyugansk, Rússia

Por Scott DiSavino

NOVA YORK (Reuters) - Os contratos futuros do petróleo mudaram pouco nesta quinta-feira, uma vez que relatórios que a China estava preparada para comprar mais petróleo e outros suprimentos de energia, para atender à crescente demanda, compensaram a pressão de aumento nos estoques de petróleo dos EUA, além de um dólar forte.

Os futuros do petróleo Brent para entrega em novembro recuaram 0,12 dólar, ou 0,2%, para fechar em 78,52 dólares o barril. Enquanto o petróleo dos EUA (WTI) avançou 0,20 dólar, ou 0,3%, para fechar em 75,03 dólares.

No início do dia, os preços de ambas as marcas de referência caíram mais de 1 dólar o barril.

"Os vencimentos dos produtos NYMEX e do petróleo Brent... aumentaram a volatilidade", disse Jim Ritterbusch, presidente da Ritterbusch and Associates em Galena, Illinois.

Os futuros do Brent para dezembro, que em breve será o primeiro contrato, subiram 0,3%, para 78,31 dólares o barril. Os futuros do diesel com baixo teor de enxofre (ULSD) do porto de Nova York, por sua vez, fecharam em sua máxima desde outubro de 2018 pelo segundo dia consecutivo.

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, disse que o maior importador de petróleo e segundo maior consumidor do mundo garantirá sua energia e fornecimento de energia e também manterá as operações econômicas dentro de um intervalo razoável.

"Se a China estiver feliz pagando qualquer preço pela energia, isso poderia intensificar a crise energética na Europa", disse Edward Moya, analista de mercado sênior da OANDA.

(Reportagem de adicional de Shadia Nasralla em Londres e Aaron Sheldrick em Tóquio)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos