Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.586,82
    +884,31 (+1,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Preços do petróleo caem por temores com demanda

Scott DiSavino
·1 minuto de leitura

Por Scott DiSavino

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo recuaram nesta quinta-feira, com o mercado focando mais em preocupações com os atrasos na aplicação de vacinas e com novas restrições de circulação, fatores que podem prejudicar a demanda, do que nos impactos de um dólar mais fraco e de uma grande queda nos estoques da commodity nos Estados Unidos.

Os contratos futuros do petróleo Brent para entrega em março fecharam em queda de 0,28 dólar, ou 0,5%, a 55,53 dólares por barril, enquanto o petróleo dos EUA (WTI) recuou 0,51 dólar, ou 1,0%, para 52,34 dólares o barril.

Com o contrato março do Brent expirando na sexta-feira, o prêmio do primeiro contrato sobre o papel de segundo mês avançou para o maior nível desde fevereiro de 2020 pelo quarto dia consecutivo.

"Nós vemos a forte curva como um indicativo de aperto no balanço do mercado, no qual os cortes de produção que os sauditas vão promover estão mais do que compensando as preocupações cada vez maiores com a demanda, relacionadas ao coronavírus", disse Jim Ritterbusch, presidente da Ritterbusch and Associates em Galena, Illinois.

Ritterbusch se referiu à promessa da Arábia Saudita de cortar produção em 1 milhão de barris por dia em fevereiro e março, de forma voluntária, como parte de um acordo da Opep+, grupo que inclui a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e aliados como a Rússia.

(Reportagem adicional de Ahmad Ghaddar em Londres, Shu Zhang em Cingapura e Sonali Paul em Melbourne)