Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.445,38
    -430,34 (-1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Preços do petróleo caem por temor com pandemia na Ásia e possível alta de juros nos EUA

·2 minuto de leitura
Bombeamento de petróleo em Saint-Fiacre, França

Por Scott DiSavino

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo recuaram mais de 2 dólares por barril nesta quarta-feira, atingindo o menor nível em três semanas, por temores de que o aumento no número de casos de Covid-19 na Ásia afete a demanda pela commodity e de que preocupações com a inflação nos Estados Unidos levem o Federal Reserve a retardar o crescimento econômico, elevando as taxas de juros.

Operadores também citaram rumores de que as negociações nucleares com o Irã estariam progredindo, o que poderia resultar em um aumento da oferta global de petróleo e deprimir os preços.

Os contratos futuros do petróleo Brent fecharam em queda de 2,05 dólares, ou 3%, a 66,66 dólares por barril, enquanto o petróleo dos EUA (WTI) recuou 2,13 dólares, ou 3,3%, para 63,36 dólares o barril. Mais cedo na sessão, o WTI chegou a cair mais de 5%.

Esse foi o menor patamar de fechamento para ambas as referências desde 27 de abril.

Na terça-feira, o Brent havia atingindo uma máxima intradia de dez semanas, superando a marca de 70 dólares por barril, apoiado pelo otimismo com um aumento da demanda por petróleo em meio a reaberturas econômicas nos EUA e Europa. A referência, porém, passou a cair por temores de desaceleração da demanda na Ásia, onde o avanço da Covid-19 desencadeou novas restrições na Índia, Taiwan, Vietnã e Tailândia.

"O cenário global para a demanda é provavelmente o mais dividido desde o início da pandemia, com uma melhora no panorama para o Ocidente se contrapondo a uma deterioração do cenário na Ásia", disse Sophie Griffiths, analista de mercado da OANDA, destacando que as perspectivas mistas para a demanda alimentam a volatilidade no mercado.

(Reportagem adicional de Laura Sanicola em Nova York, Noah Browning em Londres, Sonali Paul em Melbourne e Roslan Khasawneh em Cingapura)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos