Mercado fechará em 2 h 33 min
  • BOVESPA

    122.034,85
    +1.686,05 (+1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.347,33
    +455,05 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,32
    -0,04 (-0,08%)
     
  • OURO

    1.836,50
    +6,60 (+0,36%)
     
  • BTC-USD

    36.088,29
    +29,40 (+0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,94
    -33,20 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.718,47
    -17,24 (-0,26%)
     
  • HANG SENG

    28.862,77
    +288,91 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.242,21
    -276,97 (-0,97%)
     
  • NASDAQ

    12.804,75
    +2,50 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3475
    -0,0451 (-0,71%)
     

Preços do petróleo caem por preocupações com demanda

Laila Kearney
·1 minuto de leitura
Bombeamento de petróleo em Midland, Texas (EUA)

Por Laila Kearney

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo recuaram nesta segunda-feira, à medida que as preocupações relacionadas ao enfraquecimento da demanda por combustíveis e a perspectiva de aumento de produção pela Opep+ ofuscam o otimismo gerado pelo pacote de estímulos nos Estados Unidos.

As cotações do petróleo chegaram a subir no início da sessão, com o Brent superando a marca de 52 dólares por barril, diante da busca de democratas por pagamentos diretos de 2 mil dólares em alívio à Covid-19 nos EUA e da assinatura do presidente Donald Trump em um acordo de 2,3 trilhões de dólares em estímulos.

No entanto, a nova variante do coronavírus no Reino Unido gerou a reimposição de medidas restritivas, afetando a demanda no curto prazo e pressionando os valores do petróleo, enquanto o número de casos e hospitalizações tem aumentado em partes da Europa e da África.

O petróleo Brent fechou em queda de 0,43 dólar, ou 0,84%, a 50,86 dólares por barril, após tocar máxima de 52,02 dólares na sessão. O petróleo dos EUA (WTI) recuou 0,61 dólar, ou 1,26%, para 47,62 dólares o barril.

"Continuamos focados nessa pandemia e no que janeiro vai nos trazer", disse John Kilduff, sócio da Again Capital em Nova York. "As perspectivas de mais 'lockdowns' estão aumentando, e acho que é isso que está segurando o mercado".

(Reportagem adicional de Alex Lawler, Koustav Samanta e Naveen Thukral)