Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    48.127,84
    -7.116,40 (-12,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Preços do petróleo caem no fechamento, receios com inflação nos EUA movem mercado

·1 min de leitura
Bomba de petróleo em Midland, no Texas, EUA.

Por David Gaffen

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo despencaram nesta quarta-feira pressionados pela alta do dólar depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, disse que seu governo estava procurando maneiras de reduzir os custos de energia em meio a um aumento mais amplo da inflação.

Os futuros do Brent e do petróleo dos EUA caíram drasticamente no final da sessão, com traders vendendo ativos mais arriscados, incluindo ações e commodities, impulsionados pela expectativa de que os bancos centrais tomarão medidas para conter a alta dos preços norte-americanos.

Dados da inflação ao consumidor na quarta-feira mostraram que os preços dos EUA estavam subindo a uma taxa anual de 6,2%, a mais rápida em três décadas, e podem impulsionar a Casa Branca e o Federal Reserve a tomarem medidas para evitar isso.

A alta impulsionou o dólar, que muitas vezes é negociado inversamente ao petróleo.

O Brent fechou em queda de 2,14 dólares, ou 2,5%, para 82,64 dólares o barril. O contrato atingiu a máxima de 85,50 dólares na sessão antes de recuar. O petróleo dos EUA fechou em baixa de 2,81 dólares, ou 3,3%, para 81,34 dólares após atingir a máxima de 84,97 dólares o barril, logo depois de máximas de sete anos atingidas nas últimas semanas.

"Há, sem dúvida, mais pressão sobre o governo depois dos números da inflação de hoje", disse Phil Flynn, analista sênior do Price Futures Group. "Há uma preocupação crescente de que o Fed possa ter de voltar a atuar de forma mais agressiva no aumento das taxas."

(Reportagem adicional de Jessica Resnick Ault)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos