Mercado fechará em 3 h 19 min
  • BOVESPA

    107.314,52
    -1.136,68 (-1,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.535,44
    +93,23 (+0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,35
    +0,20 (+0,24%)
     
  • OURO

    1.669,10
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.303,68
    -244,84 (-1,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    442,01
    -3,98 (-0,89%)
     
  • S&P500

    3.642,47
    -76,57 (-2,06%)
     
  • DOW JONES

    29.238,54
    -445,20 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.881,59
    -123,80 (-1,77%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.206,50
    -349,25 (-3,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2695
    +0,0369 (+0,71%)
     

Preços do petróleo caem com investidores à espera de grande aumento da taxa do Fed

Unidade de produção no Texas

Por David Gaffen

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo caíram nesta terça-feira, seguindo a queda de outros ativos de risco, diante de um dólar forte e de investidores antecipando mais aumentos nas taxas de juros do banco central norte-americano (Fed), destinados a conter a inflação.

Os contratos futuros do Brent caíram 1,38 dólar, ou 1,5%, para 90,62 dólares o barril, enquanto o contrato outubro do petróleo WTI terminou em 84,45 dólares, queda de 1,28 dólar no dia de seu vencimento. O contrato novembro mais ativo recuou 1,42 dólar, a 83,94 dólares por barril.

Tanto o Brent quanto o WTI estão a caminho de suas maiores quedas trimestrais em termos percentuais desde o início da pandemia da Covid-19. O Brent atingiu cerca de 139 dólares o barril em março, seu maior valor desde 2008.

O Federal Reserve dos EUA deve aumentar as taxas de juros em mais 75 pontos-base na quarta-feira para frear a inflação. Essas expectativas estão pesando sobre as ações, que muitas vezes se movem em conjunto com os preços do petróleo. Outros bancos centrais, incluindo o da Inglaterra, também se reúnem esta semana.

As taxas mais altas impulsionaram o dólar, que permaneceu perto de uma máxima de duas décadas em relação aos pares na terça-feira, tornando o petróleo mais caro para os detentores de outras moedas.

"O mercado de petróleo está preso entre preocupações de baixa e esperanças de alta. As preocupações são motivadas pelo aperto monetário agressivo nos EUA e na Europa, que está aumentando a probabilidade de uma recessão e pode pesar nas perspectivas de demanda por petróleo", disse Giovanni Staunovo, analista de commodities da UBS.

(Reportagem de David Gaffen e Shadia Nasralla; com reportagem adicional de Isabel Kua)