Mercado abrirá em 7 h 27 min
  • BOVESPA

    111.878,53
    +478,62 (+0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    +779,20 (+1,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,20
    -0,08 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.837,90
    +7,70 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    19.059,53
    -21,82 (-0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,14
    +9,23 (+2,53%)
     
  • S&P500

    3.669,01
    +6,56 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    29.883,79
    +59,87 (+0,20%)
     
  • FTSE

    6.463,39
    +78,66 (+1,23%)
     
  • HANG SENG

    26.682,16
    +149,58 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.803,40
    +2,42 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    12.479,75
    +25,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3614
    +0,0416 (+0,66%)
     

Preços do petróleo caem com aumento de produção na Líbia e disparada do coronavírus

Por Devika Krishna Kumar
·1 minuto de leitura

Por Devika Krishna Kumar

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo recuaram cerca de 2% nesta sexta-feira, pressionados pela crescente produção da Líbia e por temores de que o aumento no número de casos de coronavírus possa retardar a recuperação da economia global e da demanda por combustíveis.

As expectativas por uma vacina contra a Covid-19, porém, fizeram com que os contratos futuros do petróleo registrassem a segunda semana consecutiva de ganhos.

O petróleo Brent fechou em queda de 0,75 dólar, ou 1,7%, a 42,78 dólares por barril, enquanto o petróleo dos Estados Unidos (WTI) cedeu 0,99 dólar, ou 2,4%, para 40,13 dólares o barril. Na semana, ambos acumularam alta de mais de 8%.

A produção de petróleo da Líbia avançou para 1,2 milhão de barris por dia (bpd), disse uma fonte do setor no país à Reuters, ante bombeamento de 1 milhão de bpd relatado pela National Oil Corp em 7 de novembro.

Sinais de aumento na produção dos EUA também contribuíram com o sentimento baixista. A contagem de sondas de petróleo em operação no país aumentou em dez unidades nesta semana, atingindo 236, maior nível desde maio, segundo dados da Baker Hughes.

"Em essência, parte do bem-estar pela vacina da Pfizer se dissipou, e números decepcionantes da AIE (na véspera, sobre aumento nos estoques dos EUA) criaram uma leve correção para baixo", disse Harry Tchilinguirian, chefe de pesquisas em commodities do BNP Paribas.

(Reportagem adicional de Julia Payne e Yuka Obayashi)