Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,36
    -0,10 (-0,16%)
     
  • OURO

    1.761,60
    -5,20 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    62.945,59
    +44,47 (+0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.392,79
    +11,84 (+0,86%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.760,54
    -32,60 (-0,11%)
     
  • NIKKEI

    29.682,66
    +39,97 (+0,13%)
     
  • NASDAQ

    13.969,50
    -44,50 (-0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7088
    -0,0123 (-0,18%)
     

Preços do petróleo caem cerca de 4% com restrições na Europa ameaçando demanda

Ahmad Ghaddar
·1 minuto de leitura

Por Ahmad Ghaddar

LONDRES (Reuters) - Os preços do petróleo recuavam cerca de 4% nesta terça-feira, impactados por preocupações de que novas restrições para conter o coronavírus e atrasos em vacinações na Europa podem ameaçar a retomada na demanda, enquanto um dólar mais forte também pesou.

O petróleo Brent recuava 2,57 dólar, ou 3,98%, a 62,05 dólares por barril, às 8:06 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos caía 2,46 dólar, ou 4%, a 59,1 dólares por barril.

A estrutura do mercado também apontava para fraqueza, com o primeiro contrato do Brent entrando em levemente em contango pela primeira vez desde janeiro.

Contando é quando o primeiro contrato é mais barato que os meses futuros, e pode incentivar comerciantes a armazenar petróleo.

"A Europa Continental está apertando medidas contra o coronavírus, e com isso restringindo mais a mobilidade", disse o Commerzbank.

"Isso deve ter um impacto negativo na demanda por petróleo", acrescentou.

A Alemanha, maior consumidora de petróleo da Europa, está ampliando seu lockdown até 18 de abril, pedindo a cidadãos que fiquem em casa para tentar parar uma terceira onda da pandemia de Covid-19.