Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.280,48
    +648,01 (+1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Preços do petróleo caem 6% em meio a novas restrições e vacinação lenta na Europa

Jessica Resnick-Ault
·1 minuto de leitura
Bombeamento de petróleo em Saint-Fiacre, França

Por Jessica Resnick-Ault

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo despencaram cerca de 6% nesta terça-feira, afetados por temores com as novas restrições relacionadas à pandemia na Europa e com o lento processo de vacinação contra Covid-19 no continente.

Os contratos futuros do petróleo Brent fecharam em queda de 3,83 dólares, ou 5,9%, a 60,79 dólares por barril, depois de atingirem uma mínima de 60,50 dólares durante a sessão.

Já o petróleo dos Estados Unidos (WTI) recuou 3,80 dólares, ou 6,17%, para 57,76 dólares o barril, tendo atingido uma mínima de 57,32 dólares.

Ambas as referências operaram ao redor dos menores níveis desde 9 de fevereiro.

O spread do primeiro contrato do Brent entrou em "contango" pela primeira vez desde janeiro. O "contango" ocorre quando os primeiros contratos são mais baratos do que os para meses futuros, podendo encorajar operadores a estocar petróleo.

"O caminho para a recuperação da demanda por petróleo parece estar cheio de obstáculos, à medida que o mundo segue lutando contra a pandemia de Covid-19", disse Bjornar Tonhaugen, head de mercados de petróleo da Rystad Energy.

"Os preços do petróleo voltaram a cair nesta terça, provando que a correção da semana passada não foi profunda o suficiente e que o mercado tem negociado com um sentimento excessivamente altista nos últimos tempos, ignorando os riscos da pandemia", acrescentou.

(Reportagem adicional de Ahmad Ghaddar, em Londres, e Sonali Paul, em Melbourne)