Mercado abrirá em 2 h 20 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,10
    +0,23 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.939,70
    -5,60 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    23.009,68
    +100,71 (+0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.781,41
    +9,71 (+0,12%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.130,75
    -21,25 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5279
    +0,0123 (+0,22%)
     

Preços do petróleo caem 4% em sessão volátil com preocupações sobre China e economia global

Por Arathy Somasekhar

HOUSTON (Reuters) - Os preços do petróleo caíram 4% em sessão volátil nesta terça-feira, pressionados por dados fracos de demanda da China, uma perspectiva econômica global sombria e um dólar americano mais forte.

Os futuros do Brent para entrega em março caíram 3,81 dólares, ou 4,4%, para 82,10 dólares o barril, a maior queda diária em mais de três meses.

O petróleo dos EUA caiu 3,33 dólares para 76,93 dólares por barril, uma perda de 4,1%, sua maior queda em mais de um mês. Ambos os benchmarks subiram 1 dólar o barril no início da sessão.

"Há muitos motivos para preocupações aqui – a situação da Covid-19 na China e o medo de uma recessão no futuro próximo estão pressionando os mercados", disse o analista da Mizuho, Robert Yawger.

O governo chinês elevou as cotas de exportação de produtos de petróleo refinados no primeiro lote para 2023. Os comerciantes atribuíram o aumento às expectativas de fraca demanda doméstica, já que o maior importador de petróleo do mundo continua lutando contra ondas de infecções.

A atividade industrial da China encolheu em dezembro, com o aumento de infecções interrompendo a produção e pesando sobre a demanda depois que Pequim removeu em grande parte as restrições antivírus. Somando-se às perspectivas econômicas sombrias, a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, disse no domingo que as economias dos Estados Unidos, Europa e China estavam desacelerando simultaneamente, tornando 2023 mais difícil do que 2022 para a economia global.

(Por Rowena Edwards; reportagem adicional de Florence Tan e Trixie Yap em Cingapura)