Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,75
    -0,92 (-1,47%)
     
  • OURO

    1.782,30
    +3,90 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    54.716,24
    -939,31 (-1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.246,91
    +12,50 (+1,01%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.891,86
    +31,99 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.776,50
    -17,75 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6695
    -0,0330 (-0,49%)
     

Preços do petróleo caem 2% com novos lockdowns e preocupação com demanda

Laila Kearney
·2 minuto de leitura
Bombeamento de petróleo no condado de Loving, Texas (EUA)

Por Laila Kearney

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo recuaram nesta quarta-feira, afetados pela imposição de novos lockdowns na Europa, o que gerou temores relacionados ao consumo de combustíveis, e por perspectivas pessimistas de demanda divulgadas pela Opep+ antes de uma reunião que definirá sua política de produção.

O petróleo Brent para maio, que expirou nesta quarta, fechou em queda de 0,60 dólar, ou 0,9%, a 63,54 dólares por barril. O contrato mais ativo da referência internacional, para junho, cedeu 1,43 dólar, ou 2,2%, para 62,74 dólares o barril.

Já os contratos futuros do petróleo dos Estados Unidos (WTI) recuaram 1,39 dólar, ou 2,3%, a 59,16 dólares/barril.

O Brent acumulou perda de 3,9% no mês, mas avançou 22,6% no trimestre. Já a referência norte-americana apurou baixa de 3,8% no mês, mas subiu 21,9% no trimestre.

Os preços do petróleo ampliaram perdas nesta quarta depois de o presidente da França, Emmanuel Macron, decretar um terceiro lockdown nacional e afirmar que as escolas do país fecharão por três semanas, em tentativa de conter uma terceira onda da Covid-19, que ameaça sobrecarregar os hospitais europeus e afetar a demanda por combustíveis.

"Foi neste momento que o mercado afundou", disse Bob Yawger, diretor de futuros de energia da Mizuho Securities. "Eles não estão conseguindo agir em conjunto para o controle do vírus ou para estabelecer algum tipo de programa de vacinação em conjunto."

Uma revisão para baixo --de 300 mil barris por dia-- na estimativa da Opep+ para o crescimento da demanda por petróleo neste ano também pressionou as cotações. A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados vão se reunir na quinta-feira para decidir sua política de produção.

(Reportagem adicional de Bozorgmehr Sharafedin e Julia Payne, em Londres)