Mercado abrirá em 6 h 6 min
  • BOVESPA

    103.713,45
    +1.920,93 (+1,89%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.198,94
    +315,99 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,37
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.982,60
    +2,30 (+0,12%)
     
  • Bitcoin USD

    28.094,94
    -493,43 (-1,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    613,74
    -5,50 (-0,89%)
     
  • S&P500

    4.050,83
    +23,02 (+0,57%)
     
  • DOW JONES

    32.859,03
    +141,43 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.620,43
    +56,16 (+0,74%)
     
  • HANG SENG

    20.404,93
    +95,80 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.041,48
    +258,55 (+0,93%)
     
  • NASDAQ

    13.094,75
    +12,75 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5314
    -0,0242 (-0,44%)
     

Preços do petróleo caem 1% para mínimas de 2 semanas devido a preocupações com recessão

Vista aérea mostra uma planta de óleo da Idemitsu Kosan Co. em Ichihara, Japão

Por Scott DiSavino

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo caíram cerca de 1% para uma mínima de duas semanas nesta quinta-feira, devido às crescentes preocupações de que o Federal Reserve dos EUA possa ir longe demais com seus aumentos nas taxas de juros para controlar a inflação, o que pode causar uma recessão e reduzir a demanda futura por petróleo.

O banco central dos EUA usa taxas de juros mais altas para reduzir a inflação. Mas essas taxas maiores aumentam os custos de empréstimos do consumidor, o que pode desacelerar a economia.

"O Fed continua vindo... e isso está se traduzindo em temores sobre a menor demanda por petróleo no caminho por causa de uma possível recessão", disse John Kilduff, sócio da consultoria de investimentos Again Capital LLC em Nova York.

O Brent caiu 1,07 dólar, ou 1,3%, para 81,59 dólares o barril, o menor fechamento desde 22 de fevereiro.

O petróleo dos EUA (WTI) baixou 0,94 dólar, ou 1,2%, para 75,72 dólares, o menor fechamento desde 27 de fevereiro.

Isso colocou os dois benchmarks em baixa pelo terceiro dia consecutivo, com o WTI caindo cerca de 6% e o Brent caindo cerca de 5% durante esse período.

O número de norte-americanos entrando com novos pedidos de auxílio-desemprego teve o maior aumento em cinco meses na semana passada, mas a tendência subjacente permaneceu consistente com um mercado de trabalho apertado.

Os contratos futuros de petróleo e as ações de Wall Street estavam sendo negociados em alta na manhã de quinta-feira, na ideia de que os dados do desemprego nos EUA poderiam levar o Fed a desacelerar o ritmo de futuras altas nas taxas de juros.

As ações de Wall Street caíram na quinta-feira, com todos os três principais índices de ações em queda, pois os investidores temiam que um relatório de empregos na sexta-feira pudesse estimular aumentos agressivos das taxas de juros pelo Federal Reserve.

Analistas esperam que a economia dos EUA tenha criado 205.000 empregos no mês passado --uma forte desaceleração em relação a janeiro-- e veem a taxa de desemprego se mantendo firme em 3,4%.

Apoiando os preços do petróleo na quinta-feira, a TotalEnergies não conseguiu fazer entregas de suas refinarias francesas na quinta-feira por causa da greve contínua um dia depois que os dados mostraram um declínio inesperado nos estoques de petróleo dos EUA na semana passada. [EIA/S]

(Reportagem adicional de Alex Lawler em Londres, Stephanie Kelly em Nova York e Emily Chow em Cingapura)