Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.291,48
    +555,60 (+1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,84 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2569
    +0,0319 (+0,51%)
     

Preços do petróleo avançam e marcam quarto ganho mensal diante de aumento da demanda

·1 minuto de leitura
Bomba de petróleo no Texas, EUA.

Por Devika Krishna Kumar

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo avançaram nesta sexta-feira, com a referência global Brent registrando seu quarto ganho mensal, diante do crescimento na demanda mais rápido que a oferta e a expectativa da vacinação aliviar o impacto de um ressurgimento nas infecções de Covid-19 pelo mundo.

Os contratos futuros do Brent para setembro, que expirou na sexta-feira, avançaram 0,28 dólar, ou 0,4%, para fechar em 76,33 dólares o barril. O contrato mais ativo, para outubro, encerrou a sessão em alta de 0,31 dólar, em 75,41 dólares por barril.

O petróleo dos EUA (WTI) avançou 0,33 dólar, ou 0,5%, para fechar a sessão em 73,95 dólares o barril.

Ambas as referências marcaram ganhos de mais de 2% na semana, enquanto o Brent avançou 1,6% em julho, o quarto aumento mensal seguido. O WTI permaneceu inalterado para o mês.

Mesmo com o aumento dos casos de coronavírus nos Estados Unidos, em toda a Ásia e em partes da Europa, analistas disseram que as taxas de vacinação mais altas limitariam a necessidade de restrições severas que destruíram a demanda durante o pico da pandemia no ano passado.

"O complexo do petróleo aparentemente deu uma segunda olhada no fator do coronavírus para determinar que a demanda verá apenas uma redução modesta, pelo menos uma que se mostrará minúscula em relação à queda no consumo do ano passado", disse Jim Ritterbusch, presidente da Ritterbusch e associados em Galena, Illinois.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos