Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.832,19
    +274,52 (+0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.912,17
    -6,11 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,34
    +0,29 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.786,90
    +2,20 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    50.464,73
    -524,96 (-1,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.315,01
    +9,89 (+0,76%)
     
  • S&P500

    4.696,05
    +9,30 (+0,20%)
     
  • DOW JONES

    35.723,54
    +4,11 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.350,50
    +32,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2777
    -0,0620 (-0,98%)
     

Preços do petróleo avançam com gastos dos EUA e preocupações de oferta

·1 min de leitura

Por Jessica Resnick-Ault

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo subiram nesta segunda-feira, uma vez que os sinais positivos para o crescimento econômico global apoiaram as perspectivas para a demanda de energia e os Estados Unidos disseram que estão pesando opções para lidar com os preços elevados.

O petróleo Brent fechou com alta de 0,83% a 83,43 dólares o barril. O petróleo dos EUA (WTI) subiu 0,81% a 81,93 dólares o barril.

Ambos os contratos subiram mais de 1 dólar o barril nas primeiras negociações.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, no sábado, deu as boas-vindas ao Congresso com um projeto de infraestrutura de 1 trilhão de dólares muito adiado, que poderia impulsionar o crescimento econômico e a demanda por combustível.

"A demanda global está excedendo a oferta agora - o plano Build Back Better pode exacerbar essa situação - e há pouco que a administração Biden possa fazer para atender a essa demanda", disse Phil Flynn, analista sênior do Price Futures Group em Nova York.

Um apoio adicional aos preços também veio de uma decisão na semana passada da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados, incluindo a Rússia, um grupo conhecido coletivamente como Opep+, de não acelerar seus aumentos de produção planejados.

Biden pediu à Opep+ que produza mais petróleo para aliviar o mercado e, no sábado, disse que seu governo tinha "outras ferramentas" para lidar com os altos preços do petróleo.

(Reportagem de Julia Payne, Noah Browning e Aaron Sheldrick)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos