Mercado abrirá em 6 h 21 min
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,31
    -0,78 (-0,85%)
     
  • OURO

    1.807,40
    -8,10 (-0,45%)
     
  • BTC-USD

    24.403,92
    -210,11 (-0,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    579,27
    +7,99 (+1,40%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.095,52
    -80,10 (-0,40%)
     
  • NIKKEI

    28.871,78
    +324,80 (+1,14%)
     
  • NASDAQ

    13.549,50
    -28,25 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1912
    -0,0123 (-0,24%)
     

Preços do petróleo atingem menor nível desde a invasão da Ucrânia, com temores de recessão

Barris de petróleo

Por Noah Browning

LONDRES/NOVA YORK (Reuters) - Os preços globais do petróleo caíram nesta quinta-feira para seus níveis mais baixos desde antes da invasão da Ucrânia pela Rússia, em fevereiro, com traders preocupados com a possibilidade de uma recessão econômica no final deste ano que poderia minar a demanda por energia.

Os futuros do Brent perderam 2,66 dólares, ou 2,75%, a 94,12 dólares por barril, o menor fechamento desde 18 de fevereiro.

O petróleo dos EUA, WTI, fechou em baixa de 2,34 dólares, ou 2,12%, a 88,54 dólares, a mínima desde 2 de fevereiro.

A queda nos preços do petróleo pode ser um alívio para os grandes países consumidores, incluindo os Estados Unidos e países da Europa, que vêm pedindo aos produtores que aumentem a produção para compensar a escassez de oferta e combater a inflação furiosa.

O petróleo havia subido para mais de 120 dólares o barril no início do ano. Uma recuperação repentina na demanda ante os dias mais sombrios da pandemia de Covid-19 coincidiu com interrupções no fornecimento decorrentes de sanções à grande produtora, a Rússia, por sua invasão à Ucrânia.

A venda desta quinta-feira sucedeu um aumento inesperado nos estoques de petróleo dos EUA da semana passada. Os estoques de gasolina, proxy para a demanda, também mostraram um aumento surpreendente, já que a demanda desacelerou sob o peso dos preços da gasolina perto de 5 dólares o galão, disse a Administração de Informação de Energia dos EUA.

"Parece que a fraqueza de quarta-feira após a demanda implícita de gasolina mais fraca do que o esperado nos EUA, juntamente com a quebra dos níveis de suporte técnico nesta quinta-feira, arrastaram o petróleo para baixo", disse Giovanni Staunovo, analista do UBS.

(Reportagem de Noah Browning; com reportagem adicional de Laura Sanicola, Richard Valdmanis e Emily Chow)

((Tradução Redação São Paulo))

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos