Mercado abrirá em 3 h 34 min
  • BOVESPA

    114.428,18
    -219,81 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.686,03
    -112,35 (-0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,19
    +0,75 (+0,91%)
     
  • OURO

    1.782,30
    +16,60 (+0,94%)
     
  • BTC-USD

    62.068,64
    +116,64 (+0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.449,47
    -2,17 (-0,15%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.216,96
    +13,13 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.332,00
    +41,50 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4123
    +0,0208 (+0,33%)
     

Preços do petróleo atingem máximas com decisão de Opep+ de manter plano de produção

·1 minuto de leitura
Imagem em 3D de bomba de extração de petróleo tendo ao fundo logotipo da Opep.

Por Nia Williams

(Reuters) - Os preços do petróleo saltaram nesta terça-feira e nos Estados Unidos atingiram sua máxima desde 2014, enquanto os contratos futuros do Brent subiram para uma máxima de três anos, depois que o grupo de produtores Opep+ manteve seu aumento de produção planejado, em vez de aumentar ainda mais.

Na segunda-feira, a Opep+ concordou em aderir ao pacto de julho para aumentar a produção em 400.000 barris por dia (bpd) a cada mês até pelo menos abril de 2022, eliminando 5,8 milhões de bpd dos cortes de produção existentes.

O petróleo dos EUA (WTI) fechou em alta 1,31 dólar, ou 1,7%, em 78,93 dólares o barril. Durante a sessão, o petróleo subiu mais de 2%, atingindo 79,48 dólares, a máxima em quase sete anos. O petróleo Brent fechou em alta de 1,30 dólar, ou 1,6%, em 82,56 dólares. Anteriormente, o Brent havia batido a máxima de três anos em 83,13 dólares.

Ambos os contratos ampliaram os ganhos obtidos na segunda-feira, quando cada um subiu mais de 2%.

"O mercado está percebendo que ficaremos sem oferta nos próximos meses e a Opep parece estar feliz com essa situação", disse Phil Flynn, analista do Price Futures Group em Chicago.

Os preços do petróleo já subiram mais de 50% este ano, aumentando pressões inflacionárias e levando preocupação a nações consumidoras, como os Estados Unidos e a Índia, de que isso prejudicará a recuperação da pandemia de Covid-19.

(Reportagem adicional de Rod Nickel em Winnipeg, Shadia Nasralla em Londres e Aaron Sheldrick)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos